Amo Meu Cunhado.

Amo Meu Cunhado.

Meu nome é Paulo, franzino, jeito mais quieto, cabelos castanho claro, olhos cor de mel, 18 anos, mais conhecido como Paulinho. Minha irmã mais velha Vania se casou com Miguel sempre gostei muito dele e ele muito carinhoso comigo, desde quando namorava com minha irmã Miguel me trazia presente nas datas comemorativas, sempre que trazia algo para minha irmã um doce, bombom, um agrado dava para mim também. Gostava de filmes e videogame assim como eu o que nos permitia ter muitas conversas. Minha mãe ao se separar do nosso pai foi morar com um homem rude, sem educação minha irmã resolveu morar sozinha comigo e quando se casou passamos a morar os três na mesma casa. 

Eu sempre fui diferente dos outros garotos, não gostava de esportes nem brincadeiras de violência, não implicava as meninas pelo contrario era amigo delas. Os outros garotos percebiam que eu não era como eles o que me transformava em alvo frequente de brincadeiras de mal gosto e Miguel acabou se tornando meu protetor, por diversas vezes eu me via cercado, sem defesa e era acudido por um grito de Miguel que fazia com que os garotos fugissem. 

O tempo passou e cada vez mais eu tinha um carinho todo especial e uma confiança em contar tudo o que me acontecia para Miguel.  

Ate que me apaixonei o problema é que não foi por uma mulher era por outro homem eu não sabia o que fazer tinha medo, vergonha, dele, que descobrissem, que minha família descobrisse, mas estava sofrendo ja estavam desconfiando que algo estava errado eu tinha que me aconselhar com alguém. 

_ Miguel preciso falar com você a Vanda vai demorar? 

_ Olha sua irmã vai demorar sim, mas você queria falar comigo ou com ela? 

Disse Miguel me abraçando. 

_ Com você, mas não queria que ela soubesse. 

_ Me diga o que é. 

_ Eu acho que estou apaixonado. 

_ Mas isso é muito bom, eu conheço? E porque a Vania não pode saber? 

_ Estou com medo da reação  dela não é por uma garota que estou interessado. 

_ Hum então e por um. 

_ Boa noite garotos! Nossa parecia que eu nunca ia chegar... Sobre o que vocês estão conversando?  

Fiquei parado não conseguia pensar em uma resposta para dar a minha irmã fui surpreendido com sua chegada. 

_ Ha amor seu irmão estava dizendo que hoje queria pizza de janta, o que acha? 

_ Hoje ainda e quinta feira Miguel, mas confesso que estou cansada e nem um pouco afim de cozinhar. 

Eu amo pizza Miguel teve uma ótima ideia e Vânia nem desconfiou de nada. 

Na mesma noite eu me levantei para beber agua sem camisa devido o calor usava apenas um calção. quando Miguel apenas de cueca aparece na cozinha. 

_ Sem sono Paulinho? 

_ Sede mesmo, esta muito calor. 

_ Eu que o diga por isso só estou de cueca. 

Disse Miguel com um sorriso safado olhando para mim e para sua cueca que estava com um volume considerável. 

_ E quanto ao seu segredo pode ficar tranquilo esta bem guardado comigo cunhadinho. 

_ Obrigado cunhadão. 

_ Eu conheço o cara que roubou seu coração?  Sabe que so darei apoio se ele for gente boa. 

_ Kkk Claro ele é. 

_ Não vai me contar quem é?  

_ Por enquanto não. 

_ Ok, ok vai la boa noite campeão!  

Miguel passou por mim em direção ao filtro me puxou por trás e me deu um abraço forte, beijando minha bochecha. Pude sentir seu pau duro roçando minha bunda, senti um arrepio pelo meu corpo, mas logo me soltei de Miguel e fui para meu quarto, ele era meu cunhado, meu amigo era melhor eu nem pensar em sentir nada além disso por ele.

Cada dia eu estava mais apaixonado por meu namorado e pensava que ele também estava por mim. Diego tinha a mesma idade que eu e me cativou com seu jeito carinhoso diferente dos outros garotos, no começo aceitava ficarmos apenas nos carinhos e beijinhos, mas depois cada vez começou a avançar mais e mais e sempre que eu queria parar ele insistia de uma forma que eu acabava me sentindo mal por não permitir seus avanços e acabava cedendo.

Era fim de ano ultimo dia de aula, era somente confraternização pois já tinham informado inclusive as notas e claro que eu tinha passado e assim concluído o ensino médio. A festa na escola acabou e bem mais cedo que o normal fomos dispensados já estava a caminho de casa quando Diego me alcançou pedindo para eu ir com ele a sua casa com aquela carinha linda não pude resistir e aceitei.

Estávamos no quarto de Diego somente de cueca os dois nos abraçando e beijando deitados na cama, Diego cada momento mais audaz em suas passadas de mão foi então que tirou seu pau duríssimo para fora e me pediu para mamalo já tinha feito algumas vezes e acabei chupando naquele momento novamente com ele sentado na cama encostado na cabeceira e eu praticamente de quatro entre suas pernas. Diego passava as mãos em minhas costas me causando arrepios as vezes forçava um pouco minha cabeça contra seu pau para que eu engolisse todo seu cacete e depois me soltava soltando um gemido forte.

Meu namorado começou com as mãos invadir minha cueca alisando minha bunda, cada vez mais apertando e acariciando ate passar a passar o dedo em meu reguinho, como não reclamei passou a enfiar seu dedo úmido com sua saliva. Disse que ainda não estava me sentindo pronto para dar para ele que tinha medo, mas ele disse para eu me despreocupar que ele so estava brincando, perguntou se eu estava gostando o que respondi que sim então Diego pediu para eu voltar a mamalo.

Voltei a chupar o cacete de Diego e suas bolas ele amava quando eu as colocava todas na boca então ele passou a me penetrar cada vez mais fundo com seu dedo, logo eram dois dedos a me penetrar eu reclamei novamente, mas ele me pediu calma e disse que iria me mostrar outra coisa.

Me pediu para eu ficar de quatro disse que dar eu não iria Diego então perguntou se eu não confiava nele eu disse que sim então ele novamente pediu para eu ficar de quatro e abrisse bem minhas nadegas o que a contra gosto fiz com um certo receio que logo desapareceu ao sentir a língua de Diego sento passada em meu rego . Aquilo era algo indescritível, muito bom logo eu estava rebolando no rosto de Diego que segurava minha bunda com as duas mãos e me penetrava com sua língua eu estava relaxado e já não me preocupava com mais nada. Meu namorado então passou a enfiar a língua e os dedos em meu cu logo eu já sentia três dedos entrando e saindo sem resistência de meu buraquinho logo senti algo quentinho na entradinha do meu cu era muito gostosa aquela sensação mas logo aquilo começou a me invadir mais e a doer eu pedi para Diego parar, mas ele não me deu ouvidos tentei sair da posição mas ele mais forte que eu me segurou os braços me prendendo cravando todo seu cacete em mim o que me fez sentir uma dor indescritível como se algo me rasgasse por dentro dei um grito forte e alto Diego parou de se movimentar mas já estava tudo dentro de mim sentia seus pentelhos roçando em minha bunda seu braços fortes em prendendo e dizendo em meu ouvido para me acalmar que logo a dor passaria.

Aos poucos a dor foi passando e Diego percebendo que meu cu começava a relaxar passou a bombar em meu cu que ardia voltei a prender o cacete de Diego com meu cu, mas ele forte socava tirando e colocando novamente vencendo a resistência de meu cu. Eu já estava cansado e acabei não tentando mais fugir de Diego vendo que era inútil, Diego então solta em mus braços e segura em meus ombros soltando mais seu corpo podendo se mexer, movimentar melhor por sorte a dor passa e agora já sinto um pouco de prazer ainda misturado a dor. Logo sito algo quente me invadir e gemidos fortes de Diego seu pau inchado dentro de mim cuspia sua porra. Diego soltou seu peso sobre mim e muito quente e suado ficou ate sua respiração voltar ao normal me deu um beijo em meu pescoço e disse que iria ao banheiro tomar um banho.

Levantei passei a mão em minha bunda e em minhas mãos porra e um pouco de sangue veio me assustei vesti minha roupa e fui o mais rápido possível para a casa. La tirei a cueca e eu mesmo a lavei para minha irmã não desconfiar tomei um banho e fiquei quietinho em meu quarto.

Ao mesmo tempo que tinha gostado eu não tinha, pois senti muita dor, não pensei que Diego faria daquela forma comigo, mas por outro lado pensei que se ele não tivesse feito eu talvez nunca teria dado para ele, estava confuso não sabia o que pensar e acabei adormecendo.

Acordei com meu cunhado me chamando para jantar, minha irmã deu um grito na cozinha chamdno por nos dois, meu cunhado então de brincadeira deu um tapinha em minha bunda dizendo:

_ Vamos garoto levanta! Sua irmã já esta nervosa.

  Gritei com o tapa que nem tinha sido forte, meu cunhado me olhou com cara de desconfiado e perguntou o que tinha acontecido.

_ Nada

Respondi desviando o olhar.

_ Paulo! Sabe que pode confiar em mim não é? O que ouve?

Contei e Miguel pareceu não gostar nada do que eu tinha dito, mas disse que aquele momento era para jantarmos e resolveríamos isso depois.

Continua...

 

Autor; Mrpr2

 

Meu cunhado 2

 

Como relatei na primeira parte do conto, me chamo Paulo tenho 18 anos e moro com minha irmã Vânia e meu cunhado Miguel. Estava apaixonado por Diego e mesmo não me sentindo preparado para tranzar com ele meu namorado acabou transando comigo na casa dele após nosso ultimo dia de aula. Acabei contando a meu cunhado o que tinha acontecido e ele não gostou nada do que ouviu.

  Os dias se passaram e Diego não me procurou, assim que me recuperei eu o procurei já que ele não respondia minhas mensagens nem atendia minhas ligações e para minha surpresa acabei flagrando Diego aos beijos com outro rapaz e o pior as mesmas palavras que ele me dizia ele repetia para o garoto como se fosse um texto decorado. Meu coração se partiu em mil pedaços comecei a chorar, Diego me viu olhou para mim puxou o rapaz e deu um beijão no rapaz. Sai dali correndo aos prantos ate chegar em casa. Era sábado meu cunhado estava em casa minha irmã não estava corri para meu quarto tranquei a porta e cai no choro em minha cama abafando meus lamentos com o travesseiro, sentia minhas lagrimas quentes escorrerem em meu rosto, meu coração apertado queria pular da garganta.

  Miguel bateu na porta do meu quarto e insistia para entrar, queria saber o que houve, mas eu não abri a porta de imediato. Chorei por horas ate abrir a porta. Enfim abri a porta e meu cunhado entrou sentou em minha cama e eu carente, triste com os olhos inchados de tanto chorar o abracei e chorei em seu peito. Miguel acariciava meus cabelos dizendo para eu chorar, colocar tudo para fora que ele estava ali, iria me proteger.

Depois de me acalmar contei tudo o que tinha acontecido a meu cunhado que ficou furioso com Diego, sem saber seu nome pois isso eu ocultei apesar de sua insistência para que eu revelasse seu nome. Miguel acabou aceitando o fato de eu não dizer quem tinha quebrado meu coração, mas disse que ficaria de olho, mais atento.

Vania percebeu que eu fiquei triste, perguntou varias vezes o que tinha acontecido, mas sempre mudava de assunto ou inventava algo. Os dias foram passando e Miguel estava sempre comigo quando não estava trabalhando e cada vez mais carinhoso comigo, as vezes ate demais e com algumas caricias um tanto ousadas, passei a perceber que ele sempre ficava de pau duro estando perto de mim e mesmo tentando evita lo ele sempre conseguia quebrar minhas desculpas.

Miguel era um horem muito atraente e carinhoso, minha carência e tristeza pelo que tinha acontecido com Diego e o fato de Miguel estar sempre comigo me tentando alegrar acabou me despertando desejos, as vezes eu sonhava estar com ele e parecia que meu cunhado também estava querendo ser mais que meu amigo pois não tirava os olhos de mim e isso me perturbava, pois não era certo com minha irmã.

Arrumei um trabalho e com isso passei a contribuir em casa, não mudou muito a questão com meu cunhado uma vez que chegávamos no mesmo horário de certa forma piorou pois agora eu o via todas as manhas e nem sempre minha irmã estava acordada.

Vania estava de plantão Miguel e eu estávamos sozinhos em casa, meu cunhado estava apenas com um calção que mais parecia uma cueca samba canção e parecia que estava sem nada por baixo pois o volume que fazia entre suas pernas era enorme. Eu tentava não olhar para ele, mas não sei o que estava dando em mim aquele dia eu parecia estar no cio e Miguel parecia ter um sinalizador, aqueles braços fortes, sua pele morena o cheiro só seu suor, os pelos do seu peito o volume entre suas pernas suas coxas seus enormes pés tudo nele estava me chamando atenção especialmente naquele dia. Me ajeitava no sofá tentando esconder minha ereção, tentando encontrar uma posição confortável, mas não conseguia.

Percebendo minha inquietação Miguel me disse;

_ Parece que esta com formiga na bunda Pedro?

_ Não Miguel so estou com calor é isso.

_ Esse ventilador não esta adiantando nada parece que esta ate piorando a situação jogando esse ar quente na gente e voce ainda esta com essa roupa por quê? Tira logo essa camisa antes que cozinhe moleque!

_ Não estou bem assim.

_ Que bobagem é essa agora? Nunca teve vergonha de mim, vai começar agora por quê?

_ Não estou com vergonha Miguel, me deixa va!

Miguel então levantou do sofá veio ate mim e tentou tirar minha camisa dizendo que não iria deixar o cunhadinho dele morrer de calor por bobeira, tentava não deixar Miguel tirar a camisa nem perceber minha ereção, mas foi impossível ele era bem amis forte que eu e acabou tirando minha camisa.

_ Eita e esse pauzinho duro aqui hem?  Por quê?

Disse ele pegando em meu pau, minha cara ficou em brasa de vergonha.

_ Já disse que não precisa de ter vergonha rapaz eu também tenho pau  e que fica duro, na verdade ultimamente com esse calor ando num tesão so quer ver?

Disse meu cunhado tirando aquele cacetão duraço para fora, moreno com veias saltadas bem maior que a de Diego.

_ Guarda isso seu louco e se minha irmã chega?

_ Acho que ela já conhece meu pau kkkk

_ Engraçadinho.

Miguel guardou seu pau, mas veio para cima de mim e ficamos brincando de lutinha, muitas vezes ele me encoxava, mas eu não permitia ate que ele acabou me imobilizando no chão, com seu corpão todo em cima de mim, meu rosto de frente ao dele eu tentava sair mas não conseguia ate que Miguel acabou me beijando. Aquela língua quente e grande invadindo minha boca, seu corpo roçando no meu seu cacete duro procurando meu rego .

_ Não, não podemos minha irmã!

_ Estou a muito tempo louco por você Pedro, não sei o que fazer não consigo mais.

_ Por favor Miguel eu amo minha irmã.

_ Eu também, não quero que ela sofra, mas penso em você o tempo todo, sonho com você, meto com ela pensando em meter nessa bundinha branquinha.

_ Não diga isso por favor!

Ouvimos o barulho do portão corremos cada um para um sofá, minha irmã chegou toda feliz finalmente tinha conseguido engravidar, estavam tentando a anos, mas ate hoje não tinham conseguido. Com essa noticia tentei me afastar com mais veemência de Miguel usando o bebe como escudo o que acabou dando certo por um tempo.

A gravidez de minha irmã estava complicada, sua pressão alta e mesmo com os remédios estava difícil de controlar, nos últimos dois meses ela já não queria fazer mais sexo com Miguel que claro também com medo achou melhor não insistir, porem ele era um cara muito sexuado nunca tinha ficado mais que uma semana sem sexo. O que acabou deixando ele um tanto irritado, tentava se controlar afinal minha irmã estava em uma gestação de risco, mas quem o conhecia sabia que ele estava supitando. Então um dia Miguel veio em casa minha irmã tinha ficado no hospital com minha mãe Miguel entrou em meu quarto e disse:

_ Pedro por favor me ajuda eu preciso transar cara se não vou enlouquecer!

_ Mas minha irmã Miguel não posso fazer isso com ela.

_ Por favor se não for você vou ter que me satisfazer na rua e não queria ter que fazer isso com alguém estranho e sabe que eu te amo.

Acabamos nos beijando, Miguel começou a acariciar meu corpo eu não queria ceder mas eu desde Diego nunca mais tinha transado acabei na hora lembrando do que tinha passado, mas Miguel me tranquilizou dizendo que ele não era um moleque idiota sem consciência e iria fazer com muito carinho. Deitamos na cama invertidos e enquanto eu mamava naquele cacetão, Miguel enfiava a língua em meu cu me levando a loucura, se Diego tinha me fudido bem com a língua Miguel dava um banho de habilidade, fazendo vários movimentos com um lubrificante dedava meu cu que apesar de maiores e mais grossos que do meu ex com a lubrificação não doía tanto me dando muito prazer.

Miguel então disse que tinha chegado a hora, fiquei com medo, mas meu cunhado disse que iria ser no meu tempo. Ficamos de conchinha e aos poucos bem devagar Miguel foi me penetrando e com o lubrificante e os movimentos que ele ia fazendo e me instruindo a forçar como se eu estivesse defecando acabou me penetrando praticamente sem dor, sentia um certo incomodo no inicio, mas nem se comparava ao que tinha sentido na primeira vez com Diego.  Miguel então iniciou os movimentos de vai e vem e nossa como era bom sentir aquele cacetão me invadir o calor do seu corpo os beijos em minha nuca e as mordidas em minha orelha me entreguei soltando meu corpo. Miguel desceu da cama e em pe no chão pediu para eu ficar de quatro e meteu meuteu com força, sentia suas estocadas profundas que causavam dor e prazer ao mesmo tempo, suas mãos fortes em minha cintura e seus gemidos com voz de trovão me arrepiavam por inteiro ate eu sentir seu pau querer aumentar ainda mais de tamanho dentro de mim e gozar jatos e mais jatos de porra dentro de mim, Miguel me virou, me masturbou e abocanhou meu cacete, minha incredibilidade e o prazer que eu senti com aquilo foi tanto que gozei sem conseguir avisar a Miguel, pensei que ele se irritaria, mas ao contrario sugou toda minha porra e me beijou com sua boca com meu sabor. Dormimos juntos aquela noite.

Passamos a transar sempre que podíamos, minha irmã infelizmente não resistiu ao trabalho de parto e acabou falecendo. Minha avó quis cuidar do bebe e que eu fosse morar com ela e meu padrasto, mas Miguel não permitiu que nenhum de nos dois deixássemos a casa. Hoje eu cuido do meu sobrinho como se fosse meu próprio filho e meu cunhado quando estamos so nos dois em casa é meu homem, meu marido, ninguém tem certeza de nossa relação embora muitos fofocam, mas finalmente estou feliz com um homem de verdade que me faz muito bem, cuida de mim, me trata com carinho e muito amor e não vou me importar com o que os outros dizem.

 

Fim.

 

Autor: Mrpr2

 

 

 

 

 

 

comente

Nenhum comentário encontrado.

Novo comentário