Mais que bons Amigos -5-

Mais que bons Amigos -5-

_ Então o garotão chegou!

Diz meu pai, assim que entrei pela porta, nitidamente bêbado.

_ E ai pai? Bênção. 

_ Deus o abençoe. E ai namorada nova?

_ Estava com a Clarisse e o...

_ Aquele playboyzinho né? Pelo menos esta comendo a patricinha metida?

Balançou a mão ao falar do Henri e fez gestos com a mão simulando sexo ao falar de Clarisse.

_ Que isso pai a Clarisse e o Henri são meus amigos.

_ Deixa de besteira garoto! Quando eu tinha a sua idade eu era um garanhão, não perdoava uma, passava o rodo geral!

_ Que bom para o senhor pai, agora vou tomar um banho e dormir.

_ Ei, volta aqui garoto que eu não terminei de falar com você!

_ O que foi pai?

_ E não revira esses olhos quando eu te chamar não que eu concerto eles com um tapa so! Ja encontrou um emprego?

_ Pai estou no ensino médio ainda tenho que terminar esse ano, me alistar...

_ Deixa de história para boi dormir que eu não nasci ontem não, você quer é ficar o dia todo vadiando andando para baixo e para cima atrás daquele playboyzinho.

_ Pai o Henri é meu amigo, as vezes saimos juntos, outras vezes estamos estudando.

_ O Henrique tem o futuro dele garantido, você não! Se ao menos estivesse comendo a irmã dele, quem sabe poderia garantir algum né? Apesar que conhecendo aquele Olavo tenho certeza que não seria tão fácil ele permitir que você se casasse com a princesinha dele.

_ Pai o senhor esta bêbado, eu estou cansado é melhor eu ir dormir.

_ Cansado? O que você fez o dia todo? A semana, o mês? NADA! Mas pode ter certeza que da semana que vem não passa, essa sua vida mansa acaba por aqui.

_ Porque isso? O que esta acontecendo?

_ Porque? Na sua idade eu ja trabalhava a anos, cansei de criar um come dorme que so da despesa, por isso! Alem disso não estou afim de chegar de viagem depois de quase um mês fora e ficar ouvindo piadinha do meu filho que fica feito cadelinha no cio atrás de playboyzinho em busca de migalhas e pior como vou desmentir se sua propria mãe vem confirmar tudo isso dizendo que você não sabe seu lugar ficando enfurnado na mansão, tomando banho na suite dos patrões, piscina, comendo com eles. Esqueceu o que você é garoto? Você é pobre! E pobre não se mistura com essa gente, sabe o que somos para eles? Empregados e nada mais. Enquanto estamos levando cafe na cama para eles nos chamam da "familia", mas experimenta cometer um erro para ver se você não vai para o olho da rua!

_ Não tem nada disso pai, eu não trabalho para eles sou só amigo do Henri, amigo!

_ Pior seu troxa, nem ganha para ficar levando coisas de um lado para outro, comprando, fazendo coisas.

Deixei meu pai falando sozinho e fui para o banheiro enquanto ouvia ele gritar meu nome. No banheiro enquanto a água caia sobre meu corpo eu chorava

As paredes de minha casa são finas, então, dormi ouvindo meus pais discutindo sobre mim. No sábado meu pai ficou o dia todo no meu pé inventando coisas impedindo que eu saisse, no domingo além do meu pai ainda tinha minha mãe me pedindo ajuda para tudo, meu celular não parava de tocar, era Henri meu pai ficava mais e mais irritado a cada toque e era quase impossível conversar por mensagem ou falando, pois meus pais ficavam me chamando. Depois de um tempo percebi que o telefone não tocava mais, procurei, mas não encontrei.

_ Pai, onde está meu celular?

Pergunto a meu pai que me responde:

_ Fica o dia todo com essa porra na mão e ainda vem me perguntar onde esta?

_ Pai eu sei que o senhor escondeu, me dá meu celular por favor!

_ O que está acontecendo aqui?

Pergunta minha mãe entrando na sala.

_ Este moleque me acusando dos desleixos dele.

Responde meu pai com cara de sínico.

_ Eu coloquei meu celular para carregar e agora não encontro ele. Tenho certeza que meu pai pegou para fazer graça.

_ Você viu seu pai pegando?

_ Não, não vi, mas só estamos nós três aqui, Estávamos a senhora e eu lá dentro quem mais poderia ter pego?

_ Ja falei que não se acusa as pessoas sem prova! Ja ligou para ele? 

_ Não.

_ Aqui, pega o meu celular e liga.

Diz minha mãe. pego o celular dela e nada, ao discar meu número apenas informa uma mensagem automática de que está desligado.

_ Esta desligado.

_ Deve ter acabado a bateria, você não larga desse celular um instante.

Diz meu pai.

_ Como descarregado, se eu deixei aqui carregando?

Refuto a afirmação.

_ Se tivesse colocado para carregar estava ai.

Começamos a discutir, mas logo escuto alguém gritar meu nome do lado de fora e aquela voz eu conhecia muito bem. sai correndo e quando abri o portão aquele sorriso mais lindo do mundo.

_ O que aconteceu estou te enviando mensagens,mas você não respondia , te liguei e seu celular estava desligado. fiquei preocupado aconteceu alguma coisa?

Quando eu ia responder meu pai chega atrás de mim e diz:

_ Que amigão é esse, Antonio? Se preocupando por alguns minutos sem resposta no celular, mas ja pode dizer a seu amigo que não precisa se preocupar não, que você esta bem e que vai continuar bem, não precisa dele ficar cheirando sua bunda a todo instante não! E ja avisa que a partir da semana que vem o “namorico” de vocês dois vai acabar, porque o come e dorme aqui vai trabalhar!

Disse meu pai e saiu.

_ O que é isso? O que está acontecendo Toni?

_  Não sei, mas desde ontem estão implicando comigo. Meu pai disse que vai arrumar um emprego para mim e meu celular sumiu,por isso não respondi suas mensagens ou atendi suas ligações.

_ Sumiu? Como assim sumiu?

Pergunta Henri, já retirando seu celular do bolso e ligando para meu número.

_ Sumiu, coloquei para carregar e quando fui verificar ele não estava mais onde eu tinha deixado, mas tenho certeza de que foi meu pai quem pegou ele.

_ So da mensagem de desligado. Tem certeza que não perdeu na rua?

_ E por acaso eu consegui sair para algum lugar hoje? Desde ontem estão assim.

_ Você fez alguma coisa? Eles te disseram porque estão agindo assim?

Ainda não tinha certeza, mas era bem óbvio que estavam desconfiados de um possível relacionamento entre Henri e eu, porém até o momento de fato éramos apenas amigos. Nada existia entre nós além de uma amizade fraterna e meus sentimentos a mais que até então para mim eram apenas de minha parte, platônicos. diante disso como eu poderia falar isso ao meu amigo? Poderia perder sua amizade por uma besteira que talvez nem se confirmasse, o que ele pensaria de mim? Resolvi dizer que não sabia.

_ Não sei Henri, também não estou entendendo nada.

_ Muito estranho, mas vamos aguardar o desenrolar dessa história qualquer coisa me avise, me ligue, mande mensagem que venho correndo.

_ Estou sem celular esqueceu?

_ Toma, fique com o meu.

Diz Henri retirando seu celular novamente do bolso e me entregando.

_ Esta maluco Henri? Não posso ficar com seu celular.

Me recuso a pegar o aparelho fazendo com que meu amigo me questionasse:

_ Porque não? Estou te dando, vou comprar outro para mim para podermos conversar.

_ Não Henri, esse celular é novo, como vou justificar ele para meus pais, para os seus pais.

_ Justificar? Diga a verdade que eu te dei, um presente. Na verdade é melhor que eles nem vejam. mantenha escondido ou poderam tomar ele de você como fizeram com o outro.

_ Não é uma má ideia, porém esse celular é muito caro Henri…

_ Tudo bem, pelo visto é você que não quer falar comigo né?

Fica irritado Henri.

_ Não é isso Henri…

Henri sai irritado chutando latinhas, pequenas pedras. Coisa de garoto mimado que não era acostumado a ser contrariado. Fecho o portão e retorno a meus afazeres inacabáveis solicitados por meus pais.

 

Continua…

 

Autor: Mrpr2